CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

Quem é o povo e o governo do Estado.

tilapaEstive, na manhã desta segunda-feira, 4, em visita ao o presidente do Conselho de Meio Ambiente do Tocantins (Coema) e atual subsecretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Tocantins (Semarh), Rubens Brito. Na oportunidade, o questionei sobre o processo de liberação do cultivo de tilápia em tanques-redes no estado do Tocantins, aprovado pelo Conselho no final do ano passado e encaminhado para parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE), para só então o processo ser concluído e publicado.

O pedido de parecer, com essas reviravoltas políticas no Tocantins (troca-troca de governadores e eleição suplementar), ficou parado do ano passado até três semanas atrás na PGE, quando esta, conforme Rubens Brito, deu parecer favorável desde que se o submetesse, também, à Secretaria Especial da Aquicultura e Pesca (SEAP) e ao Ibama.

– Imediatamente, corremos à Brasília e submetemos o processo a SEAP e ao Ibama. O primeiro, preliminarmente, expressou verbalmente favorável, mas ainda não despachou devido estar passando por mudanças físicas, ou seja, de suas instalações no Ministério da Indústria e Comércio (MDIC) para outro prédio, já que, por decisão presidencial, tornou-se Secretaria vinculada à Presidência da República – disse o Presidente do Coema.

Quanto ao Ibama, Rubens Brito, disse também que este, em parecer formal não se opôs, lembrou até que outros estados estão com este mesmo pedido no órgão.

– Mas o parecer ainda não saiu. Vamos atrás nos próximos dias – disse um confiante Presidente do Conselho do Meio Ambiente do Tocantins.

Mais de R$ 1 bilhão em jogo

A questão do cultivo da tilápia em águas correntes no Tocantins foi alvo de acaloradas discursões e até provocou inimizades entre os que são favoráveis e os que são contra – sem apresentar motivos embasados na ciência.
Mas a verdade é que a espécie será um grande propulsor da piscicultura no Tocantins. Em entrevista que este editor fez com o presidente da Associação Brasileira de Piscicultura (PEIXE BR), Francisco Medeiros, em abril do ano passado, este disse acreditar muito no potencial das regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil para o cultivo de peixes, sobretudo de tilápia.

– Nós acreditamos que a grande fronteira de produção aquícola no Brasil está situada na região compreendida pelos estados de Goiás, Mato Grosso e Tocantins, em função das condições climáticas, logística, recursos hídricos e oferta de grãos – disse.

Ainda conforme ele, porém, esses estados necessitam fazer ajustes em suas políticas ambientais e tributárias, preparando-se para receber os investimentos.

– E este é o nosso trabalho neste momento. Não estamos em nenhum momento solicitando recursos desses governos, apenas que façam o que lhe foi imposto pela Constituição – explicou.

– No caso especifico de Tocantins, o Ibama já emitiu uma portaria que informa que a tilápia já está presente na bacia Araguaia/Tocantins e pode sim ser desenvolvida sua atividade nessas bacias hidrográficas – explanou.

E foi mais longe, em relação a esta polêmica:

– Quem decide o que quer para o Estado de Tocantins é o povo e o governo do Estado. Nós apresentamos que existe uma grande oportunidade de negócio para produção de tilápia, mas isso trata-se de política interna. Somente as 200.000 toneladas de peixes que podem ser criadas no estado de Tocantins, nos lagos das hidrelétricas, podem gerar com a produção de tilápia uma renda primária R$ 1,4 bilhão por ano. Se o Estado deseja esta atividade econômica, somente os seus governantes e cidadãos podem decidir – disse.

Sobre as barreiras até então impostas contra a introdução de tilápia sob o sistema de cultivo em tanques- redes no Tocantins, Francisco Medeiros disse que A PEIXE BR quando trata de piscicultura pensa de forma global, pensando em desenvolver a atividade em todo o Brasil, a entidade é nacional.

– Vemos o Tocantins como estratégico na produção de peixes no Brasil e pensamos principalmente na remuneração do produtor. No caso especifico de Tocantins, o Ibama já emitiu uma portaria que informa que a tilápia já está presente na bacia Araguaia/Tocantins e pode sim ser desenvolvida sua atividade nessas bacias hidrográficas – apontou.

Ainda conforme ele, somente no rio Tocantins há importantes hidrelétricas dentro do estado de Tocantins que podem ser utilizadas para produção deste peixe “que no momento é o peixe mais produzido, comercializado e consumido no Brasil e cujo pacote tecnológico de produção está definido” – frisou

Por Antônio Oliveira


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Negociação de Dividas Energisa 240x240 2

Web Banner 240x240px Cidade Encantada Energisa PP

ferpam 240x82

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.