CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

PREH.jpg

O Núcleo Tocantinense de Arqueologia (Nuta) da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), responsável pelo levantamento, monitoramento e resgate do patrimônio arqueológico e histórico cultural na abrangência da Ferrovia Norte-Sul no Estado, por meio do Programa Saltfens, catalogou 69.697 peças de sítios arqueológicos ao longo de mais de dez anos de trabalho. São machados, facas, pontas de flechas e urnas funerárias que permitirão aos pesquisadores entender sobre o processo de ocupação e humanização na região pesquisada.

A coordenadora do Nuta, Antônia Custódia Pedreira, explica que é por meio desses vestígios de líticos e cerâmicos que se entenderá o passado. Com a pesquisa de campo concluída, o próximo passo dos técnicos e arqueólogos que trabalham no projeto é concluir as análises das peças e o cadastro dos sítios arqueológicos localizados.

A previsão é de que os relatórios sejam entregues ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) até o mês de janeiro. As peças pertencem à União e estão sob a salvaguarda da Unitins.

Contrato

O Programa Saltfens foi um plano de trabalho firmado por meio do convênio científico entre Engenharia, Construção e Ferrovia S/A - Valec, Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB) e Unitins, por intermédio do Nuta, de Porto Nacional.

A fase inicial dos trabalhos da primeira etapa aconteceu com o levantamento do potencial arqueológico no trecho compreendido entre os municípios de Darcinópolis e Aguiarnópolis, no Tocantins, em cumprimento da Lei nº 3.924 de julho de 1964 e Portaria nº 54 de Autorização de Pesquisa do Iphan, de 24 de outubro de 2000.

O monitoramento arqueológico se constituiu na segunda fase dos trabalhos propostos, com o acompanhamento de todas as atividades de implantação da linha férrea e verificação dos locais em que as obras da ferrovia retiraram a cobertura vegetal e as camadas de solo.

A quarta e última etapa é a pesquisa no trecho entre Gurupi e Talismã, no sul do Estado, que ainda falta concluir. A coordenadora do Nuta explicou que os impactos diretos dizem respeito ao traçado por onde passa a ferrovia, enquanto os indiretos correspondem ao entorno, de onde se retiraram materiais para aterros, construção de plataformas, dentre outras obras

 

ASCOM


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Negociação de Dividas Energisa 240x240 2

Web Banner 240x240px Cidade Encantada Energisa PP

ferpam 240x82

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.