CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

Foto: Vasco Alves

DSC_0412.JPG

A definição de uma comissão composta pelos quatro governadores do Matopiba (Tocantins, Maranhão, Piauí e Bahia), para juntamente com a ministra da Agricultura, senadora Kátia Abreu, encontrar-se com a presidente Dilma Roussef e proporem uma parceria de investimentos, foi uma das proposituras anunciadas nesta segunda, na Capital, durante o Diálogo Brasil-Japão-: Intercâmbio Econômico e Comercial em Agricultura e Alimentos no Matopiba. Pela proposta, os Estados teriam aval do governo federal para alavancarem financiamentos com a finalidade de somarem-se aos R$ 2,5 bilhões previstos pela União para aplicar no Matopiba.

A proposta foi feita pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT) e recebeu o aval da ministra da Agricultura, senadora Kátia Abreu, e dos demais governadores. O encontro teve a participação dos governadores Marcelo Miranda (Tocantins), Wellington Dias (Piauí), Flavio Dino (Maranhão) e João Leão, vice-governador da Bahia. E ainda do vice-ministro de Assuntos Internacionais do Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão, Hiromich Matshushima e  do embaixador japonês no Brasil, Kunio Umeda.

O Diálogo Brasil-Japão acontece durante toda esta segunda-feira, 29, em Palmas, com a participação, além dos governadores e ministra, do embaixador do Japão, do vice-ministro da Agricultura, Pecuária e Floresta japonês e de diretores das maiores empresas japonesas que operam no Brasil no ramo da indústria da alimentação e de máquinas e equipamentos. A primeira parte do intercâmbio foi realizada no auditório Cuica, da Universidade Federal do Tocantins. Pela manhã, apresentação da Ministra, dos governadores dos Estados e dos empresários japoneses.  No período da tarde, acontecem as reuniões temáticas.

Durante a manhã, o governo do Brasil e o governo do Japão assinaram um Memorando de Cooperação no campo da agricultura e alimentação, formalizado entre a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, e o embaixador japonês no Brasil, Kunio Umeda. O termo prevê ações conjuntas de infraestrutura logística no Matopiba, englobando hidrovias, ferrovias, rodovias, portos e armazéns. Uma parceria bilateral público-privada com objetivos econômicos e sociais. Além disso, governadores, Ministra da Agricultura e autoridades japonesas assinaram a Carta de Palmas.

Ainda pela manhã, foram criadas a Frente Estadual do Parlamento no Matopiba e a Frente Municipalista do Matopiba, com prefeitos de toda a região.Durante o encontro, a ministra Kátia Abreu apresentou os projetos sugeridos pelos governos estaduais a serem desenvolvidos em conjunto com o governo e empresários japoneses. Dentre eles, a Ferrovia Transnordestina (Balsas-Estreito/193 km),  a rodovia MA-06 (Alto Parnaíba-Tasso Fragoso/90 km), rodovia MA-06 (Tasso Fragoso-Balsas/143 km) e a MA-06 (BR-230-BR-220/415 km). Para o Tocantins, estão previstas recuperação e pavimentação das rodovias TO-01, TO-020, TO-030, TO-040, TO-070, TO – 080, TO-130, TO-164, TO-210, TO-239, TO- 255, TO- 296, TO- 374, TO-387, TO- 415, TO- 460, TO- 476 e TO-500, totalizando 2.086 km.A segunda parte do Diálogo Brasil-Japão prevê na terça, 1º, visitas ao Projeto São João e Indústria Granol (Porto Nacional), ao projeto do Porto da Hidrovia do Tocantins e ao Terminal de Cargas da Ferrovia Norte-Sul onde haverá uma apresentação da VLI.

ECONOMIA EM DESENVOLVIMENTO

A ministra Kátia Abreu disse acreditar que o fluxo comercial de produtos do agronegócio entre os dois países, que cresceu mais de 70% na última década, pode ampliar-se ainda mais. O Japão, conforma a Ministra,  é o 4º maior importador de produtos agrícolas do mundo, tendo o Brasil como principal fornecedor de alguns deles, como carne de frango in natura, café verde, etanol e suco de laranja. Em 2015, a participação do Brasil nas importações agrícolas do mercado japonês foi de 4,6%, mas nós desejamos que, em breve, esse número chegue a 10%. Para Kátia Abreu, dentre os 10 maiores produtores agrícolas do mundo, registramos no Brasil o maior ganho de produtividade, tendo crescido a uma taxa média anual de 3,36% na última década, o dobro da taxa média mundial.

Segundo ela, toda essa produção de alimentos, fibras e bioenergia foi conseguida mantendo preservados 61% dos biomas do território nacional. “A cada dia, produzimos mais no mesmo espaço de terras. Não fossem os ganhos de produtividade das últimas quatro décadas, seria necessário o triplo da área atual para se produzir a safra de 209 milhões de toneladas de grãos prevista para 2016”, sublinhou a Ministra.

“De nossa parte, convidamos os capitais japoneses a somarem-se aos mais de 75 bilhões de dólares de investimento produtivo que o Brasil recebeu do exterior em 2015”, falou a Kátia Abreu informando que são 35 milhões de hectares de terra de alta produtividade e com relevo próprio para agricultura.” Serão mais de 700 mil quilômetros quadrados voltados ao desenvolvimento da agricultura. A união da região do Matopiba com o Japão, nosso espírito empreendedor e nossa determinação política revolucionarão a agricultura mundial”, sinalizou a Ministra.

Ela citou ainda as parcerias já empreendidas pelos japoneses na região. Em dez anos, entre 1993 e 2003, foram mais de R$ 1 bilhão em investimentos japoneses. Foram R$ 42,5 milhões (Prodecer), R$ 190 milhões (1.800 km de Malha Rodoviária), R$ 126 milhões (Patrulhas Mecanizadasx), R$ 272 milhões (Programa de Eletrificação Rural). “Dívidas honradas por todos os governadores, quitadas na sua totalidade”, disse a Ministra. “Dependerá dos nossos esforços, em dias como o de hoje, os papéis que Brasil e Japão ocuparão na geografia agrícola global daqui a quatro décadas”, destacou.

DADOS SOBRE O MATOPIBA

MATOPIBA- A região do Matopiba compreende 73 milhões de hectares, distribuídos em 31 microrregiões, 337 municípios e abrange uma população de 5,9 milhões de habitantes. É considerada atualmente a nova fronteira agrícola formada por áreas do Maranhão, Tocantins, Piauí e da Bahia. O novo programa tem por objetivo aumentar a produtividade dos pequenos agricultores. Dados do Ministério da Agricultura mostram que, diferentemente das cidades, que contam com 50% da população na classe média, o campo tem apenas 16% de produtores nesta faixa de renda. A região produz, atualmente, cerca de 10% da produção de grãos no Brasil. É estratégico para a ascensão social dos pequenos produtores locais e para o incremento da produção e da exportação agropecuária do país.

O Maranhão ocupa 32,77% de todo o território do Matopiba, com 23,9 milhões de hectares em 135 municípios. O Tocantins tem 37,95% da área, 27,7 milhões de hectares e 139 municípios. Já o Piauí representa 11,21%, tem 8,2 milhões de hectares e 33 municípios e a Bahia ocupa 18,06% da área, com 13,2 milhões de hectares e 30 municípios. A proposta de delimitação foi feita pelo Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE), da Embrapa.

O clima favorável, o perfil dos produtores e a legalidade de novas áreas a serem abertas trazem boas perspectivas para a região. No caso da soja, por exemplo, os quatro estados aumentaram significativamente sua produção na safra de 2014/2015 em relação à 2013/2014. Conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a Bahia teve crescimento de 20,3% (produção total de 3,979 milhões de toneladas), o Piauí, 18,6% (1,766 milhões de toneladas), o Maranhão, 16,4% (2,123 milhões de toneladas) e o Tocantins, 13,5% (2,335 milhões de toneladas).

Entre 1973 e 2011, a produção de soja passou de 670 mil toneladas para mais de 7 milhões. E a de grãos saltou de 2,5 milhões de toneladas para mais de 12,5 milhões no mesmo período. O total produzido de soja deverá saltar de 18.623 milhões de toneladas da safra 2013/2014 para 22.607 milhões de toneladas em 2023/2024, aumento de 21%.

Ainda assim, do total de 250.238 estabelecimentos rurais, 85% têm mais que 100 hectares e exploram principalmente lavouras temporárias e permanentes, hortícolas, bovinos, leite, porcos, aves e ovos.

Os dados coletados pela Embrapa mostram concentração de renda e pobreza na região. Do total de estabelecimentos, 80% são muito pobres (renda mensal de 0 a 2 salários mínimos) e geraram apenas 5,22% de toda a renda bruta do Matopiba. 14% são pobres e geraram 8,35 % da riqueza na região. 5,79% são classe média e responsáveis por 26,74% da renda. Somente 0,42% das propriedades são ricas (renda mensal de 200 salários mínimos) e geraram 59% da renda bruta da região.

ASCOM


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Web Banner Super Liga da Energia 240x240px Energisa

Mídias Sites 240x240

ferpam 240x82

diario do tocantins OBRAS PELA CIDADE 240x570 1

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.