CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

TJTO1874 Após audiência de conciliação realizada na tarde desta terça-feira (12/9) no Pleno do Tribunal de Justiça (TJTO) o desembargador Ronaldo Eurípedes deferiu efeito suspensivo à decisão de primeira instância que determinava o encerramento das atividades da empresa Umanizzare na Unidade Prisional de Tratamento Penal Barra da Grota (UTBG) e na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPP).

Durante a audiência, a titular da Cidadania e Justiça (Seciju), Gleidy Braga Ribeiro e o representante da Procuradoria Geral do Estado, Bruno Nolasco, apresentaram uma proposta de cronograma para realização de um novo contrato, a ser fechado por meio de licitação, até o final do contrato. Contudo, a proposta não continha o aval de outras pastas co-responsáveis pela gestão orçamentária no Estado nem do próprio Executivo Estadual.

A proposta recebeu manifestação favorável da Umanizzare. Já o Ministério Público, por meio do procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior se manifestou contrário.

Com o efeito suspensivo atribuído pelo desembargador em um recurso (Agravo de Instrumento Nº 0013444-83.2017.827.0000) interposto pela empresa, o contrato com o governo estadual seguirá até o dia 31 de novembro, data original de seu encerramento.

Fundamentos

Ao decidir pela suspensão da decisão liminar de 1ª instância, o relator observa que a lei determina não ser cabível medida liminar que "esgote, no todo ou em qualquer parte, o objeto da ação". Porém, o desembargador também pontua outro lado da controvérsia, especialmente os danos prováveis à sociedade caso haja a ruptura total do contrato, embora considere que o Estado esteja sendo omisso na gestão prisional.

Ao ponderar esse aspecto, ele observa que há “omissão dos gestores públicos em solucionar a grave e urgente problemática que envolve a administração das unidades prisionais do Estado” e destaca que nem o Estado nem a empresa adotou qualquer “providência concreta” para “tomar as medidas necessárias à imediata e devida transição de todas as atividades inerentes à gestão do sistema prisional para a Administração Pública do Presídio Barra da Grota e da Casa de Prisão Provisória de Palmas”.

Para o relator, no processo, não há, no processo, “qualquer demonstrativo, qualquer indício concreto das providências pertinentes e necessárias à reassunção integral desses serviços pelo Estado, através de servidores aprovados em concurso público”, de imediato ou na finalização do contrato em novembro.

“O dano pode ser ressarcido e os agentes públicos responsabilizados, o que, em tese não será possível acontecer com os danos advindos de ruptura antecipada dos serviços em um ambiente carcerário, cujos efeitos refletem diretamente na sociedade”, escreve.

“É certo que a interrupção do contrato com a completa retirada dos serviços prestados pela empresa poderá ensejar danos graves e de difícil ou impossível reparação não apenas aos que se encontram recolhidos nas unidades prisionais, mas, em maior escala, à população em geral, que poderá ser diretamente afetada com diversas formas de violência e insegurança”, conclui.

Presença

Participaram da audiência, pelo Ministério Público, o promotor da vara das Execuções Penais de Palmas, Alzemiro Wilson Peres Freitas e o procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior. Pelo Estado, o procurador Bruno Nolasco, a secretária estadual da Cidadania e Justiça, Gleidy Braga Ribeiro e o superintendente do Sistema Penitenciário e Prisional do estado, Renato Mendes Arantes. Pela empresa, participaram os advogados Waldison Moreira Júnior e Gilberto Adriano Moura de Oliveira.

Lailton Costa - Cecom/TJTO
Fotografia: Rondinelli Ribeiro - Cecom/TJTO


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

durax 240x72

assembrleia 240

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.