CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

Unimed Palmas

Há mais de quatro anos, a jovem Valana Leão de 26 anos, esperava por uma cirurgia nos hospitais públicos do Tocantins para colocar uma prótese no quadril e tratar a artrite reumatoide juvenil. Após várias tentativas por uma vaga na lista de cirurgias nos hospitais públicos, a paciente procurou a Defensoria Pública do Estado para conseguir realizar o procedimento.

Diagnosticada da artrite, Valana não caminhava sem o auxílio de muletas devido à piora no quadro de saúde. “Desde pequena eu sofria com dores, já estava cansada de ficar dias nos hospitais públicos e retornar para casa. Depois fiquei esperando uma vaga para fazer uma cirurgia, graças a Deus consegui na justiça uma autorização para fazer o procedimento em um hospital particular”, desabafa a paciente.

Após a autorização da Defensoria, a jovem foi encaminhada ao Hospital Unimed de Palmas (HUP), no dia 10 deste mês, onde passou pelo processo cirúrgico chamado artroplastia total do quadril bilateral. Valana Leão, foi a primeira paciente a ser submetida ao procedimento no HUP, o único hospital da rede privada do Estado a realizar essa cirurgia, necessária quando o quadril sofre um processo degenerativo e torna-se doloroso para o paciente.

Segundo o ortopedista, Leandro Campos, essa é uma doença auto-imune, produzida pelo sistema imunológico e quando não tratada pode causar dores e dificuldades para andar. “A cirurgia é indicada para restaurar o movimento e aliviar a dor, melhorando a qualidade de vida do paciente. Essa é uma cirurgia que troca o conjunto articular por uma prótese. O caso dela é diferenciado, porque fizemos a cirurgia nos dois lados do quadril em um único tempo. O critério para operar os lados esquerdo e direito desta forma levou em consideração a idade da paciente e o fato dela apresentar situações cardíacas favoráveis para a realização da cirurgia dos dois lados ao mesmo tempo”.

Ainda segundo o ortopedista, esse tipo de procedimento é bastante seguro devido a medicina moderna, os avanços dos materiais e das técnicas cirúrgicas. “A recuperação leva uns 90 dias e logo ela poderá caminhar e fazer atividades físicas normais, sem dores e com movimento. No início ela precisará de muletas e logo estará caminhando sozinha tranquilamente”, finalizou o ortopedista.


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.