CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

destaque-367460-2r5.jpg

Mais um vigilante foi assassinado na cidade de Castanhal, nordeste paraense. Dessa vez, a vítima foi Jeferson Monteiro da Silva, de 19 anos, executado com 4 tiros de revólver. O corpo dele foi encontrado no início da manhã de sábado (7), no bairro Santa Lídia, periferia da cidade. O crime tem indícios de latrocínio (roubo seguido de morte), já que a arma de fogo e a motocicleta de Jeferson foram roubadas.

Policiais do Núcleo Integrado de Operações (Niop) largavam o plantão quando, por volta das 7h30, receberam uma ligação, via 190, de moradores do bairro Santa Lídia informando sobre um corpo que estaria jogado na rua Dom Pedro II, esquina com a rua Capitão Barroso. A informação foi repassada aos policiais civis de plantão na delegacia do centro da cidade. 

O investigador Clóvis e a delegada Nilde Rosa foram ao endereço e confirmaram a denúncia. “Moradores da área nos disseram que, pouco depois da meia-noite, ouviram o estampido de tiros. Confessaram que ficaram com receio de abrir suas portas, para saber o que tinha acontecido. Então, o crime só foi descoberto quando o dia clareou”, contou o investigador Clóvis.

Ao local do crime, não compareceu nenhum parente nem conhecido da vítima, que estava sem documentos. Durante o trabalho de remoção do corpo, peritos do Instituto Médico Legal (IML) detectaram 4 perfurações provocadas por tiros, sendo 2 na cabeça, 1 no abdômen e 1 na palma da mão direita. 

Somente ontem pela manhã, o corpo foi identificado como sendo do vigilante Jeferson Monteiro da Silva, de 19 anos. A delegada Nilde Rosa não descarta nenhuma hipótese para o crime. “Um inquérito já foi instaurado para que seja investigado”, adiantou.

SEGUNDO VIGILANTE

Já é o segundo vigilante assassinado, em Castanhal, somente neste mês. Na noite de terça-feira (3), o vigilante noturno Josué Rodrigues Pinto, de 43 anos, foi executado com 5 tiros de revólver, a maioria na cabeça. 

Segundo a delegada da Polícia Civil Ariane Gomes, ele estava trabalhando no bairro Santa Catarina quando, na rua São José, foi morto por uma dupla, que estava em uma motocicleta.

Antes de morrer, Josué trocou tiros com os criminosos, que conseguiram fugir levando um aparelho celular e a arma da vítima.

(*Tiago Silva/Castanhal)


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

300x250 1

Banners Sites 240x240

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.