CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

293212_700x450.jpg

Nesta sexta-feira, 8, a Vara Criminal da Justiça de Guaraí, na região centro-norte do Estado, julgou e condenou 17 pessoas acusadas de integrar uma organização criminosa especializada no tráfico de drogas que agia naquele município. Todos foram presos durante a operação Blackmau, deflagrada pela 5ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC) de Guaraí, em dezembro de 2015. As penas variam de cinco a treze anos de reclusão, pela prática do crime de tráfico de drogas.

Além das penas, às quais os acusados foram condenados, a Justiça também decretou a perda de todos os bens apreendidos com os mesmos, durante os trabalhos investigativos da 5ª DRPC, de Guaraí. Na sentença, o juiz decretou que umacaminhonete GM-S10, um VW Space Cross, além de um veículo, modelo gol, e duas motocicletas, fossem apreendidos e revertidos em favor da união, que, por sua vez, os repassou para a 5ª DRPC, onde serão utilizados no combate ao crime. 

Para o delegado Adriano Carrasco, um dos responsáveis pela operação Blackmau, a condenação dos presos representa um grande golpe no tráfico de drogas, em Guaraí e demonstra o comprometimento da Polícia Civil, no combate à criminalidade naquela cidade.

“Tínhamos confiança no trabalho investigativo que estávamos realizando, apesar de todas as dificuldades de estrutura, equipamentos e efetivo. Foram noites de sono efins de semana dedicados à operação que valeram à pena. A população de Guaraí tem nos parado nas ruas para agradecer pelas prisões dos investigados e pela devolução do Setor Pestana [antes conhecido como Cracolândia] aos cidadãos de bem”, afirmou o delegado Adriano Carrasco.

O delegado regional, Guido Camilo Ribeiro, ressaltou o comprometimento do Ministério Público e do Poder Judiciário de Guaraí, com o trabalho da Polícia Civil na diminuição da criminalidade: “Quando a Polícia Judiciária e o Ministério Público trabalham em conjunto, sem disputas alheias ao interesse público, e quando o Poder Judiciário confia neste trabalho e sente-se seguro para julgar, a criminalidade é derrotada”, concluiu. 

Segundo os policiais civis que atuaram na investigação, ainda há muito a ser feito pela população de Guaraí e uma decisão judicial como esta, que coroa o trabalho incansável de todos os órgãos que atuam na persecução criminal, só dá mais força e motivação para essa árdua batalha que é o combate ao crime.

A Operação Blackmau teve início em outubro de 2013, com a participação de todos os policiais civis e servidores da Polícia Civil de Guaraí, que não mediram esforços para que o resultado fosse o melhor possível.

Presos

Clebison Tranqueira de Sousa foi condenado a 11 anos e 4 meses de prisão; Raulina Tranqueira, a 9 anos; Rosimeire Vieira Abreu, a 9 anos; Raimundo Tavares da Silva, a 13 anos e 6 meses; Marzio Dias Ferreira, foi condenado a 8 anos e 10 meses; Anderson Fernandes Farias a 11 anos e 4 meses; Adonias Pereira do Nascimento a 9 anos e 3 meses e Khawann Massoli Paiva, a 11 anos e 4 meses.

Também forma julgados e condenados: Jyonata Pereira Leite, 11 anos e 4 meses de reclusão; Lorrane Stefane Borges Mendes, 11 anos e 4 meses; Domingos Ribeiro da Silva, 8 anos e 10 meses; Manoel Bonfim Florêncio Silva, 11 anos e 4 meses; Ronaldo Ferreira da Silva, 8 anos e 10 meses; Maria do Livramento Rodrigues da Silva, 8 anos e 10 meses; Aldeman Rodrigues da Silva, 10 anos e 6 meses; Walinson Martins Rodrigues, 10 anos e 6 meses e Sirene da Silva Freitas, a qual foi condenada a 11 anos e 4 meses.

ASCOM 


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Diario dotocantins 240x240

diario to

ferpam 240x82

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.