CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

DivulgaçãoA área foi expropriada em decorrência de cultivo de psicotrópicos e repassada para o INCRA para que fosse realizado Projeto de Assentamento. Com a Decisão prolatada pelo Tribunal de Justiça, o Juiz de Guaraí procedeu com as baixas devidas no sistema no dia 7 de julho.

A ação de reintegração de posse da Fazenda Santa Barbara, área pertencente
à União, localizada às margens da BR-235 (Km 194), município de Fortaleza
do Tabocão/TO, com o despejo de cerca de 500 famílias, está suspensa. Por
decisão do Tribunal de Justiça do Tocantins, o processo foi remetido a uma
das Varas da Sessão Judiciária Federal do Estado do Tocantins, para
análise, processamento e julgamento da demanda.

A Decisão, do dia 5 de julho, é do desembargador Ronaldo Eurípedes
deferindo o pedido formulado pela DPE-TO – Defensoria Pública do Estado do
Tocantins, que interpôs no Tribunal de Justiça do Tocantins um agravo de
instrumento com objetivo de reformar a decisão judicial proferida pelo
Juízo da 1° Vara Cível de Guaraí, que determinava a reintegração de posse,
e também pediu a extinção por falta de pressupostos processuais, uma vez
que a área é de propriedade da União Federal.

A área foi expropriada em
decorrência de cultivo de psicotrópicos e repassada para o INCRA para que
fosse realizado Projeto de Assentamento. Com a Decisão prolatada pelo
Tribunal de Justiça, o Juiz de Guaraí procedeu com as baixas devidas no
sistema no dia 7 de julho.

O caso é acompanhado pelo DPAGRA – Núcleo da Defensoria Pública Agrária e,
segundo o coordenador em substituição, defensor público Guilherme Vilela,
com a remessa do processo à Justiça Federal, a competência para atuar na
ação passa à DPU – Defensoria Pública da União e a DPE-TO continuará
assistindo as famílias, com orientações, informações e eventuais demandas
que surgirem na competência estadual. Nesta segunda-feira, 10, o Defensor
Público participou de uma reunião na sede do Ministério Público Federal
para discutir com os órgãos responsáveis a assistência às famílias que
permanecem no local.

Área

Conforme nota divulgada pelo MST – Movimento dos Sem Terra no dia 1º de
junho de 2017, cerca de 500 famílias estão atualmente no local e vivem em
clima de tensão e ameaça por parte de pessoas que se apropriaram
ilegalmente da área, por se tratar de terra da União. Com a iminência de
um despejo devido à execução da reintegração de posse, o conflito havia se
intensificado.

“De acordo com a nossa Constituição Federal, as terras rurais de domínio
da União, dos Estados e dos Municípios ficam destinadas,
preferencialmente, à execução de planos de reforma agrária. As famílias
que ocuparam o local estão tentando assegurar a função social daquela
propriedade, reivindicando a terra para os fins da reforma agrária”,
destacou o Defensor Público.


Entendo o caso

Segundo o MST, em 2006, a área foi expropriada e destinada para o INCRA
após ter sido foi flagrada com cultivo de plantas psicotrópicas. No
decorrer desse processo, a área começou a se apropriada irregularmente,
com loteamento e plantação de soja, e pleito para regularização fundiária
da terra por meio do Programa Terra Legal. Em 2016, o INCRA realizou uma
vistoria na área e confeccionou um Laudo de Viabilidade Técnica, em que
inviabilizou a área para criação de assentamento de Reforma Agrária. Em
abril de 2017, as famílias começaram a ocupar o local, vindas do
Acampamento Olga Benário, às margens da BR 153, que por não terem para
onde ir e informadas sobre a propriedade da terra ser da União, passaram
para o local com intuito de exigir do INCRA a criação de assentamento de
Reforma Agrária.

Assim que tomou conhecimento da situação das famílias, no dia 15 de maio,
via representantes do MST, o defensor público Pedro Alexandre, coordenador
do DPAGRA, solicitou habilitação nos autos para atuar no processo e, no
dia 17 de maio, visitou o local acompanhado de uma Assistente Social para
atender as famílias.

Também no dia 17 de maio, a Defensoria Pública
interpôs no Tribunal de Justiça do Tocantins Agravo de Instrumento, autos
Nº 0009157-77.2017.827.0000; e no dia 30 de maio, a Defensoria Pública
também se manifestou no processo autuado sob o nº 0001552-65.2017.827.2721
na 1° Vara Cível de Guaraí, contestando a Decisão que deferiu a
reintegração de posse e pediu a extinção por falta de pressupostos
processuais e junto a isso solicitando a reconsideração da liminar.


Fique por dentro de todas as notícias da Defensoria Pública do Tocantins
acesse: ww2.defensoria.to.gov.br | Twitter: @defensoriato
Serviço: Assessoria de Imprensa da Defensoria Pública do Tocantins - Fone:
(63) 3218-6745 e (63)99935-7703.

Licença: Os textos podem ser reproduzidos gratuitamente, apenas para fins
jornalísticos, mediante a citação da fonte.

Rose Dayanne


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.