CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

MosquitosDoençadeChagas Fotos Frederick Borges

Para proporcionar aos profissionais mais conhecimento relacionado à identificação, biologia e ecologia dos barbeiros, que são os vetores da doença de Chagas, o Tocantins está sediando durante essa semana o curso de Taxonomia e Infecção Natural de Triatomíneos da Região Amazônica. O evento acontece no Anexo I da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e visa o controle da doença de Chagas na região Norte do País.

O curso, que conta com a participação de biólogos de todos os estados da região Norte do Brasil, tem aulas teóricas e práticas ministradas por técnicas do Centro de Pesquisa René Rachou, de Minas Gerais, laboratório que é referência na identificação de barbeiros.

Raquel Aparecida Ferreira, que está ministrando curso e é curadora da coleção de vetores de doença de Chagas do Centro de Pesquisa René Rachou, explica que anualmente o Ministério da Saúde seleciona regiões do Brasil para oferecer o curso.

“Aqui tratamos da biologia e ecologia dos barbeiros, o habitat e alimentação deles, além do desenvolvimento dos insetos. Faremos a contextualização das espécies que são encontradas aqui na região Norte e como elas estão distribuídas no meio ambiente. Nessa região é muito comum espécies que ficam em palmeiras, por exemplo”, destacou.

Ainda de acordo com a curadora, na parte prática os alunos terão a oportunidade de conhecer as principais espécies de barbeiros da região e também de outras localidades por meio de exemplares e kits sobre os vetores.

Participando do curso, a bióloga em saúde do Laboratório de Entomologia do Tocantins, Thatiana de Lira, disse que o momento é oportuno para o treinamento e troca de experiências. “Estou chegando agora na Entomologia e estou sendo treinada na área de Chagas, que é basicamente a identificação e o manejo de barbeiros e também a parte da doença em humanos. Essa é uma ótima oportunidade de troca de experiências”, disse.

O gerente do Laboratório de Entomologia da Sesau, Rogério Rios, explicou que o barbeiro está presente em todo o Estado, principalmente na região do Bico do Papagaio e região Sudeste. “Existem duas formas de contaminação, a oral, quando há ingestão de fezes ou do inseto contaminado, e a vetorial, quando ocorre a picada. Nós temos espécies que o habitat são as palmeiras, galinheiros, tocas de animais. Nas palmeiras, por exemplo, como bacaba, açaí, buriti, existem casos de barbeiros infectados, por isso o cuidado na administração desse tipo de alimento deve ser redobrado. Eles devem ser muito bem lavados, pois podem abrigar fezes do inseto ou o próprio barbeiro, o que causa a contaminação via oral” explicou.

Cenário Epidemiológico no Tocantins

Desde 2007, 31 casos da doença de Chagas foram confirmados em todo o Estado, sendo cinco deles por transmissão vetorial que ocorreram nos municípios de Pindorama do Tocantins (2007), Esperantina (2008), Augustinópolis (2008), Wanderlândia (2011) e Filadélfia (2015).

Os demais casos identificados foram transmitidos por via oral, tendo ocorrido três surtos, um em Ananás, com 11 casos em 2011; um em Tocantinópolis, com quatro casos e um óbito e dois em Axixá do Tocantins, com quatro casos em 2008 e cinco casos em 2014.

A doença pode ser transmitida de outras maneiras, seja da mãe chagásica para o filho durante a gestação ou o parto (transmissão vertical), da transfusão de hemoderivados ou de órgãos (transmissão transfusional / transplante) e através do contato da pele ferida ou de mucosas com material contaminado - sangue de doentes, fezes de barbeiros e animais contaminados (transmissão acidental).
____
Camilla Negre/ Governo do Tocantins


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

durax 240x72

banner 300x250

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.