CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

DESTACOU AS DIVERSAS VIOLÊNCIAS QUE MUITAS MULHERES SÃO SUBMETIDAS, QUE SÃO QUALQUER TIPO DE COAÇÃO QUE CAUSE DANOS, CONSTRANGIMENTOS, LIMITAÇÕES, SOFRIMENTO FÍSICO, SEXUAL, MORAL, ECONÔMICO E ATÉ A MORTE.

IMG 2596Em Cariri, para lembrar essa data, foi realizada nesta segunda-feira, 27, uma palestra com o delegado aposentando e advogado João Veloso, que destacou as diversas violências que muitas mulheres são submetidas, que são qualquer tipo de coação que cause danos, constrangimentos, limitações, sofrimento físico, sexual, moral, econômico e até a morte.

No último dia 25 foi comemorado o Dia Internacional da Não-violência Contra a Mulher. Em 1999, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas instituiu essa data em homenagem às “Mariposas”, três irmãs da República Dominicana, Pátria, Minerva e Maria Teresa, que foram brutalmente assassinadas pelo ditador Rafael Leônidas Trujillo. Esse dia é para reflexão sobre a situação de violência em que vive considerável parte das mulheres em todo o mundo.

Em Cariri, para lembrar essa data, foi realizada nesta segunda-feira, 27, uma palestra com o delegado aposentando e advogado João Veloso, que destacou as diversas violências que muitas mulheres são submetidas, que são qualquer tipo de coação que cause danos, constrangimentos, limitações, sofrimento físico, sexual, moral, econômico e até a morte.

Conforme o palestrante, a violência não é apenas a física, embora essa seja a de maior incidência em registros chegando ao percentual de 50,75%, mas também há a psicológica que chega a um percentual de 31,16%. Tem também a violência moral com 9,98% de registros, a violência sexual com 2,89%, a patrimonial com 2,07%, e ainda há registros de cárcere privado no percentual de 1,82%, e tráfico de pessoas que computa 0,34%.

João Veloso afirmou que no trabalho muitas mulheres ainda convivem com o assédio de chefes, que se dá muitas vezes por meio de elogios exacerbados, convites, oferecimentos de cargos entre outras investidas.

O advogado destacou a importância das mulheres denunciarem essas atitudes, mas muitas que sofrem até mesmo violência física se sentem intimidadas e pouco acolhidas nas delegacias, sofrendo, inclusive, um pré-julgamento e até mesmo levando a culpa de terem sido violentadas. “Às vezes por estar vestida com uma determinada roupa o abusador se acha no direito de violentar a mulher, pois acha que ela estava o provocando. E esse discurso muitas vezes encontra abrigo com outros homens na hora que a mulher vai fazer a denúncia, o que em alguns casos termina fazendo com que a mulher se sinta culpada. Mas quero dizer que vocês mulheres não têm culpa da violência que sofrem. Que têm o direito de vestir-se como quiserem, de se sentirem bonitas, de frequentarem o ambiente que desejar, e os homens têm que respeitar”, destacou completando que 98% das mulheres já foram assediadas nas ruas.

Durante a palestra, João Veloso ainda relatou sobre o Feminicídio, que é a perseguição e morte de mulheres. É um crime de ódio e considerado hediondo. O feminicídio é a expressão fatal das diversas violências que podem atingir as mulheres em sociedades marcadas pela desigualdade de poder entre os gêneros masculino e feminino e por construções históricas, culturais, econômicas, políticas e sociais discriminatórias.

Ele também alertou sobre programas de apoio às mulheres, sobre a Lei Maria da Penha, sobre o disque 180 e sobre o aplicativo “Sai Pra Lá”, ferramentas que as mulheres podem procurar.

Cariri do Tocantins

Em Cariri do Tocantins, 60% dos casos atendidos em 2017 pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), foram relacionados à violência física, psicológica e abuso sexual contra mulheres.

Segundo a psicóloga do Creas, Joice Figueredo, os casos de violência são encaminhados primeiramente para as autoridades policiais e órgãos do Sistema de Garantia de Direitos, onde poderá ser solicitado o afastamento do agressor e aplicação de medidas protetivas para assegurar a integridade dessas mulheres, posteriormente é realizado o acompanhamento familiar pela equipe do CREAS.

A palestra dessa segunda-feira com o advogado Dr. João Veloso, faz parte de umas das metas para capacitar a rede de apoio formada pelo Centro de Referência da Assistência Social (Cras), Creas, Conselho Tutelar e Agentes Comunitários de Saúde.


Assessoria de Imprensa
Heliana Oliveira
DRT 519/TO
63 98513-8943
http://www.cariri.to.gov.br
https://www.facebook.com/PrefCariri


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

durax 240x72

assembrleia 240

ferpam 240x82

ENERGISA BANNER SETEMBRO

pub diario folha da cidade 270 340

PROMOVA SEU NEGÓCIO

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.