CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

Luis Macedo / Câmara dos Deputados

CORRUPÇAO PETROBRFAS

Eduardo Leite confirmou o pagamento de R$ 110 milhões de propina para ex-diretores da petrolífera

O ex-dirigente disse que a Camargo Corrêa embutia no cálculo de custos os valores destinados a pagar propina aos diretores da estatal

O executivo Eduardo Hermelino Leite, ex-vice-presidente da construtora Camargo Côrrea, disse à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras que a estatal continua a pagar sobrepreço relativo ao valor de propina nos contratos feitos com as empresas acusadas de formação de cartel.

Ele disse isso ao responder pergunta do deputado Altineu Cortes (PR-RJ), um dos sub-relatores da CPI. Leite informou à CPI que os valores relativos ao pagamento de propina eram de 2% sobre os valores dos contratos e esse percentual era acrescido nas propostas da Camargo Corrêa à Petrobras – e depois contabilizado como “custos”. "Isso entrava na contabilidade como custo, já que era pago a uma consultoria. Não era caixa dois”, disse.

Desses 2%, segundo ele, metade era destinada à diretoria de Abastecimento, ocupada por Paulo Roberto Costa, e a outra metade para a diretoria de Serviços, ocupada por Renato Duque.

O deputado quis saber se a Camargo Corrêa fez o desconto desses 2% nos valores dos contratos depois de deixar de pagar a propina, com a Operação Lava Jato. “Não”, respondeu. “Então a Petrobras continuou a pagar o sobrepreço mesmo depois que cessou o pagamento de propina?”, perguntou o deputado. “Acredito que sim. Acho que isso tudo continua existindo porque tinha como fundamento maus projetos. O conjunto dessa obra continua existindo lá”, disse Leite.

Segundo o executivo, os projetos de engenharia falhos da Petrobras permitiam que os preços de cada obra fossem constantemente reajustados, o que dava margem a mais cobrança de propina. E acrescentou que, se as empresas não pagassem, poderiam ser prejudicadas de várias maneiras pelos diretores da petrolífera.

Choro

Leite chegou a chorar, durante depoimento, quando perguntado pelo deputado Carlos Andrade (PHS-RR) sobre o que o levou a fazer acordo de delação premiada com a Justiça.

O executivo ficou com a voz embargada ao falar dos filhos e foi obrigado a tirar os óculos para enxugar as lágrimas. “É nesses dois momentos que eu provoco prejuízo de imagem à minha família”, disse.

A Camargo Corrêa venceu licitações no valor de mais de R$ 6 bilhões para obras nas refinarias Getúlio Vargas, no Paraná, e Abreu e Lima, em Pernambuco. Leite, conhecido como Leitoso, foi apontado pelo presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, como responsável pelos contatos com os políticos e pagamento de propina a diretores da Petrobras.

Segundo outro investigado pela Operação Lava Jato, o empresário Júlio Camargo, da empresa Toyo Setal, também houve pagamento de propina para que a obra da Refinaria Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos (SP), fosse dirigida ao consórcio de empresas que ele representava na época, formado pelas empreiteiras Camargo Corrêa e OAS.

A refinaria estava orçada em R$ 1 bilhão e Camargo afirma ter pago R$ 6 milhões ao ex-diretor da Petrobras Renato Duque e ao ex-gerente de Tecnolocia Pedro Barusco. Segundo Júlio Camargo, a Camargo Corrêa pagou R$ 23,3 milhões a uma de suas empresas, a Treviso, para ele intermediar o negócio. Ele acusou Leite de controlar o pagamento das propinas aos funcionários da estatal.

Próximos depoimentos

Outros dois executivos convocados pela CPI usaram o direito de ficar calados e não responderam às perguntas dos deputados. João Ricardo Auler, ex-presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, e José Adelmário Pinheiro Filho, ex-presidente da Construtora OAS, acabaram dispensados pelo presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB).

Nesta quarta-feira (27) serão ouvidos cinco executivos do grupo Schahin, que arrendava cinco plataformas de perfuração para a Petrobras: Carlos Eduardo Schahin, Milton Toufic Schahin, Salin Toufic Schahin, Rubens Toufic Schahin e Pedro Schahin. O grupo é um dos investigados pela Operação Lava Jato.

 

Reportagem – Antonio Vital
Edição – Natalia Doederlein


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Diario dotocantins 240x240

diario to

ferpam 240x82

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.