CEOP GIF BRUNO

Z NOVO3

R$ 660 MIL POR ANO E OS SERVIÇOS ERAM PRESTADOS SOB DEMANDA.

image001Em relação à notícia publicada por este Diário, no dia 18/1/2018, com o título “CFC no rastro de possíveis atos de ‘corrupção’ em contrato milionário que teve cinco aditivos”, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) tem a esclarecer, inicialmente, que não existe – e nunca existiu – “esquema de corrupção” na entidade. Essa é uma acusação precipitada, feita contra o CFC, sem as devidas provas.

Em relação à notícia publicada por este Diário, no dia 18/1/2018, com o título “CFC no rastro de possíveis atos de ‘corrupção’ em contrato milionário que teve cinco aditivos”, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) tem a esclarecer, inicialmente, que não existe – e nunca existiu – “esquema de corrupção” na entidade. Essa é uma acusação precipitada, feita contra o CFC, sem as devidas provas.

Especificamente quanto à instalação de uma Comissão de Sindicância para apurar supostas irregularidades na execução do contrato nº 2011/003927 (Processo CFC nº 2018/000068), ato publicado no Diário Oficial da União (DOU), no dia 17/1/2018, conforme orienta o princípio da publicidade no âmbito do setor público, o CFC explica que essa medida visa averiguar exclusivamente atos funcionais. Além disso, o contrato em análise, contrariando o que diz a notícia, era de R$ 660 mil por ANO e os serviços eram prestados sob demanda.

Importante destacar que a instalação de Comissão de Sindicância no CFC está regulamentada pela Resolução CFC nº 1.463/2014, publicada no DOU no dia 28 de maio de 2014, e assinada pelo então presidente José Martonio Alves Coelho. Esta Resolução aprova o Regulamento de Processo Administrativo Disciplinar dos Funcionários do Conselho Federal de Contabilidade.

Dessa forma, ressalta-se, de forma categórica, que o processo de averiguação instalado não alcança os presidentes anteriores, tampouco conselheiros do CFC.

A propósito, os conselheiros da entidade estão submetidos às regras previstas na Resolução CFC nº 1.523, de 7 de abril de 2017, que institui o Código de Conduta para Conselheiros, Colaboradores e Funcionários dos Conselhos Federal e Regionais de Contabilidade. Consulte AQUI.

Também é necessário esclarecer que a sindicância é um procedimento de averiguação preliminar, que precede o Processo Administrativo Disciplinar (PAD), para apurar infrações praticadas por funcionários do CFC. Para mais informações, consultar a Resolução CFC nº 1.463/2014.

Feitos esses esclarecimentos, resta ao CFC repelir, veementemente, qualquer imputação de “esquema de corrupção” contra a entidade e seus presidentes – atual ou anteriores. Sobretudo, o CFC rejeita que se atribua, por oportunismo, um julgamento político a um ato inerente à atividade administrativa de supervisão do CFC.

Departamento de Comunicação do Conselho Federal de Contabilidade

Atenciosamente,

Maristela Girotto

Jornalista
Gerente do Departamento de Comunicação Social – DECOM
Coordenadoria de Gestão de TI e Comunicação - CGTIC
www.cfc.org.br | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | +55 (61) 3314-9513


O Diário do Tocantins apoia a liberdade de opinião, mas é contra o uso de termos ofensivos. Os comentários listados abaixo estão sob responsabilidade de seus respectivos autores.

Diario dotocantins 240x240

diario to

ferpam 240x82

durax 240x72

pub diario folha da cidade 270 340

Todos os direitos reservados - Cidade Comunicação LTDA. Contato: falecom @ diariodotocantins.com.br.